domingo, 15 de novembro de 2015

Plágio e ética



Tinha decidido calar-me. Tinha mesmo decidido calar-me. Não por cobardia. Não por medo de represálias. Nunca me deixei conduzir por tais sentimentos. Decidi fazê-lo para não perturbar o meu sossego espiritual. Prezo muito a paz interior. E só quando algum evento afeta profundamente o meu equilíbrio ou a vida de outrem é que tendo a reagir. Preferi, neste caso, calar o que devia ser dito aos quatro ventos… para preservar a minha paz de espírito.

Mas, ontem, alguém falou comigo sobre o que tinha acontecido na ação de formação para professores de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC). E isso despoletou em mim o desejo de pôr a nu a verdade das coisas. Se anunciamos o Evangelho para que o mundo se torne mais justo e solidário, não estaria bem comigo mesmo se me calasse perante a injustiça e a mentira. Infelizmente, tais coisas acontecem também no interior da Igreja, instituição humana, demasiado humana.

Durante um lapso significativo de vários anos, o Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNEC) comprometeu-se a levar por diante uma reforma do programa de EMRC e dos manuais que serviam de suporte ao trabalho concreto dos professores com os seus alunos. Em vão o tentaram. Depois de várias comissões feitas, desfeitas e refeitas, estávamos quase sempre na estaca zero. Porque o trabalho que tais comissões apresentavam não tinha, segundo a apreciação da Comissão Episcopal da Educação Cristã, a qualidade desejada. Limitavam-se a reorganizar os temas e os conteúdos do programa nessa altura em vigor e pouco mais faziam. Era necessário construir algo de novo, que respondesse mais especificamente às exigências do tempo e se centrasse sobre aprendizagens realmente significativas. Infelizmente, as pessoas escolhidas para integrar essas equipas não se revelaram à altura de levar a cabo tal reforma. Pelo menos, no sentido em que os bispos a pretendiam. E o seu trabalho era irremediavelmente recusado pelas instâncias da Igreja.

Um dia, o presidente da Comissão Episcopal telefonou-me a perguntar se eu estaria disponível para assumir essa espinhosa tarefa, como coordenador do departamento de EMRC do SNEC. Respondi que seria um grande desafio, ao qual, todavia, me não iria furtar. Gosto de desafios. E embora aumentem os meus níveis de ansiedade acima do que seria desejável, tornam-me mais criativo. Aceitei.

No início do ano letivo seguinte, assumi o novo cargo. Durante o primeiro ano trabalhei arduamente em várias frentes. No entanto, a mais importante era, sem dúvida alguma, a da reforma do programa de EMRC. Nas reuniões com os vários secretariados diocesanos do país, verifiquei que os diretores estavam, de um modo geral, pouco esperançados e até incrédulos em relação à capacidade do SNEC levar por diante esta ingente tarefa. No fundo, eu era apenas mais um dos que pelo SNEC haviam passado, sem terem conseguido realizar a tão desejada reforma. Mas não desanimei. Compreendi até a incredulidade das pessoas. Entendi que não era nada contra mim pessoalmente, mas contra uma inércia que se manifestara incapaz de ultrapassar os desafios mais urgentes. Assumi essa crítica velada ou patente como um incentivo ao novo trabalho que agora tinha em mãos.

Ao fim de pouco tempo, tinha as linhas gerais do novo programa escritas. Quando o texto, ainda incipiente, foi dado a ler à Comissão Episcopal, eu não sabia se era aquela a orientação que os bispos pretendiam. Tinha feito um trabalho que, em consciência, era honesto e profundo, mas desconhecia o juízo que os bispos haveriam de fazer a respeito do esboço que lhes havia entregue. Fiquei feliz quando ouvi da boca de todos os membros da Comissão que aquele era mesmo o texto que pretendiam. Estava no caminho certo. Que continuasse por aquela via. Este primeiro juízo foi fundamental para aumentar o meu nível de motivação. Agarrei o trabalho, sustentado agora pela visão positiva dos bispos. Ao fim de um ano, depois de muitas horas de árduo labor, o programa estava pronto para ser aprovado pelo plenário da Conferência Episcopal. E assim foi. O que as antigas comissões não tinham feito em vários anos, fi-lo eu ao cabo de um ano. Digo isto não para me gabar, coisa que nunca gostei de fazer, mas para que fique patente o absurdo do que viria a acontecer mais tarde.

Terminada a primeira etapa do projeto, havia agora que proceder à elaboração dos materiais para os professores e os alunos. Os bispos solicitaram que fizesse equipas de trabalho para cada ciclo. Assim o fiz, sempre em diálogo com o presidente da Comissão, D. Tomás Silva Nunes. Se o primeiro ano tinha sido uma luta contra o tempo, os anos que se seguiram foram ainda mais laboriosos. Assumi, como era natural, a coordenação geral e a revisão de todos os materiais. As equipas iam produzindo conteúdos e enviavam-mos. Em vez de me limitar a encaminhar tudo o que me chegava das equipas para a empresa que trabalhava graficamente os materiais, procedia a uma atenta leitura de todos os conteúdos, à correção literária e ortográfica e também a um trabalho realmente criativo de alteração dos textos de acordo com os programas. Tais alterações passavam pela elaboração de sínteses, de ampliações, de criação de novos textos que eu considerava estarem a faltar, de reorganização das fichas de trabalho, de criação de novas fichas, da pesquisa e introdução de textos de outros autores, etc. O meu trabalho, longe de ser apenas cosmético, teve um papel de criação que faz de mim coautor a par com os nomes dos autores das equipas.

Depois, vinha ainda o trabalho com o design gráfico. Era preciso escolher as imagens melhores, verificar se os textos estavam devidamente enquadrados. Se havia qualidade gráfica da totalidade do trabalho, etc. Concluído o primeiro ano, pudemos verificar que os manuais tinham conteúdos de qualidade e eram graficamente belos. Não escondo que alguns estavam realmente melhores do que outros. Havia, nalguns, conteúdos a mais ou mesmo conteúdos que não constavam do programa, que haviam sido um alargamento do programa. Contudo, tal ampliação não afetava a congruência do conjunto. Por isso, e também porque o tempo escasseava, tive de proceder à sua aprovação sem mais intervenções sobre o texto. Qualquer elemento das equipas que comigo trabalharam poderá testemunhar isto que aqui digo.

Houve também alguns problemas com as equipas. Algumas tiveram de ser remodeladas. Ou porque não correspondiam à qualidade que era exigida, ou porque alguns elementos, por motivos pessoais, se mostraram indisponíveis para continuar, ou por outros motivos que aqui não vou apontar, para não ser desagradável. Mas uma dessas remodelações, a do primeiro ciclo, foi dura e talvez tenha tido um papel importante em tudo o que veio a acontecer recentemente.

Quando, finalmente, ao cabo de alguns anos, tínhamos o trabalho concluído, pude respirar de alívio. Estava extenuado. Foram anos de grande sacrifício pessoal, de grande tensão nervosa. Era necessário mudar. Por isso, a meu pedido, voltei à escola. Soube, entretanto, que houve várias investidas, sobretudo de um dos elementos do SNEC, para que os manuais fossem “corrigidos” (como se houvesse erros nos manuais!). A Comissão foi resistindo a essa pressão. Por um lado, porque os manuais estavam em vigor há relativamente pouco tempo; por outro lado, porque uma modificação dos mesmos traria novos custos de produção.

Mas, entretanto, faleceu o anterior presidente da Comissão e, algum tempo depois, a mesmo Comissão Episcopal viu os seus elementos serem substituídos, como é costume acontecer. Estava agora aberto o caminho para uma nova pressão sobre a Comissão no sentido de os bispos, com base em supostos “erros” dos manuais, aceitarem a “urgentemente necessária” alteração do programa e dos materiais. A sustentar tal posição estava também a mudança do enquadramento legal do Ministério da Educação. O placet foi então concedido. E o que veio a acontecer foi coisa inaudita!

Eu, que tinha sido o autor do programa e o coordenador/coautor dos manuais, não fui sequer contactado pela nova equipa, agora coordenada pela Cristina Sá Carvalho, uma psicóloga sem qualquer formação específica na área, mas com enorme poder de persuasão junto das esferas mais altas da Igreja. Era necessário apagar o meu nome! E assim fizeram. Faz-me lembrar os velhos tempos do Estalinismo em que um elemento do aparelho que caísse em desgraça tinha de ser apagado das fotos em que constava junto do Líder. Quando era necessário, reescrevia-se a história sem as pessoas que eram agora incómodas para o sistema. Foi o que fizeram comigo e com mais alguns autores.

Por que razão não terei eu protestado nessa altura? É simples. Estava na expectativa de ver que trabalho haveria de sair dessa tão competente equipa coordenadora. Poderia até acontecer que o resultado do seu labor fosse realmente algo de substancialmente diferente. E aí não haveria grande problema. Qual não foi o meu espanto quando tive acesso ao “novo” programa e aos “novos” manuais. No fundo, tais recursos ostentam o meu trabalho autoral e criativo, bem como o de cada uma das equipas que comigo trabalharam. Os novos “autores” limitaram-se a um trabalho cosmético que, em alguns casos foi bem-sucedido (produção de esquemas a partir dos textos dos manuais anteriores, eliminação de alguns textos que tornavam os manuais um pouco extensos…) e noutros casos foi um autêntico desastre: um péssimo grafismo, um design inqualificável que fez ao manuais retrocederem várias décadas, uma seleção de imagens de baixíssimo valor, um remanejamento de textos de autores consagrados, como José Régio e outros, sem o respeito pela forma gráfico dos seus textos originais, etc.

Mas o que me surpreendeu mais foi o desplante e a leviandade com que os nossos nomes (o meu e de outros autores que faziam parte de equipas anteriores) desapareceram dos manuais, apesar de a grande maioria dos textos que lá se encontram serem de sua autoria! Este é, na verdade, um problema ético e jurídico de enorme alcance. Não tenho dúvida que, em tribunal, ser-nos-ia dada razão, caso tivéssemos intenção de avançar com uma queixa. Na verdade, apropriar-se daquilo que é dos outros, rasurando os seus nomes e substituindo-os por outros, é não só um ato soez de injustiça que brada aos céus, mas também um crime de plágio e de desrespeito pela propriedade intelectual. E não se trata aqui, como alguns podem alegar, de um problema de pagamento pelo trabalho realizado. Todos sabemos que os benefícios dos direitos de autor são do SNEC e não dos criadores propriamente ditos. O trabalho destes é pago previamente ao mesmo tempo que prescindem dos futuros benefícios financeiros decorrentes dos direitos, em favor do SNEC. Não é, pois, um problema de ordem financeira, é muito mais profundo: é um problema de roubo da propriedade intelectual, roubo de trabalho criativo efetuado por outros, ao qual se apõe agora, despudoradamente, o nome de outras pessoas.

O Código dos Diretos de Autor e Direitos Conexos, no ponto 1 do art. 2.º, refere explicitamente que são obras originais “As criações intelectuais do domínio literário, científico e artístico, quaisquer que sejam o género, a forma de expressão, o mérito, o modo de comunicação e o objetivo” e “compreendem nomeadamente: a) Livros (…) e outros escritos (…)”. O mesmo artigo, no ponto 2, refere ainda que “As sucessivas edições de uma obra, ainda que corrigidas, aumentadas, refundidas ou com mudança de título ou de formato, não são obras distintas da obra original (…)”.

 Quero crer que os bispos não se aperceberam do que foi feito, nem da gravidade da situação. Mas o SNEC tem um presidente! É sua obrigação pôr os bispos ao corrente do que se está a fazer na instituição e impedir que alguém da casa espezinhe os direitos dos outros para se alçar acima deles, catapultado pelo trabalho que haviam realizado. E essa vigilância não foi feita. Já para não falar na vileza da atitude de quem comete diretamente o crime!

Tenho pena que tal aconteça na Igreja de que faço parte e à qual me orgulho de pertencer. Uma Igreja que prega a justiça e a verdade permite que algumas das pessoas que trabalham nas suas fileiras tenham atitudes inqualificáveis do ponto de vista ético (e até jurídico).

Tinha intenção de não dizer nada. Não posso deixar que as pessoas de que falo aqui perturbem a minha paz interior. Por amor da paz, estava decidido a calar para sempre a mágoa que senti. Mas um pequeno acontecimento veio despertar a minha vontade de esclarecer publicamente o que sucedeu. Tal como o incómodo profeta Isaías também eu “por amor de Sião me não calarei e por amor de Jerusalém não me aquietarei, até que saia a sua justiça como um resplendor e a sua salvação como uma tocha acesa” (Is 62,1).

32 comentários:

  1. Que desgraça. O que nós somo capazes de fazer!

    ResponderEliminar
  2. Nós não, não me incluo. O grande problema é que a nossa sociedade está muito mais "seguidora" do dinheiro/poder ("deus") e assente em interesses pessoais. É transversal nesta sociedade, por isso é importante que pessoas honestas e com carácter não permitam situações destas ficar nos "segredos dos deuses", mesmo percebendo que somos uma minoria.

    ResponderEliminar
  3. https://www.youtube.com/watch?v=SFl-uh65uIA

    ResponderEliminar
  4. Fui, durante bastantes anos, professor de EMRC.
    Rejubilei com os novos manuais que utilizei e de que muito beneficiei, pois os alunos sentiam-se mais atraídos para o trabalho que aqueles manuais apresentavam e propunham.
    Entretanto, em 2013, aposentei-me e, naturalmente desliguei-me dos assuntos da disciplina, mantendo, embora, contacto com colegas. E foi um desses que, há pouco tempo (já neste ano lectivo) me disse que os manuais que usáramos, já estavam a ser substituídos por novos! E referi-lhe o meu espanto, até porque os anteriores eram muito recentes e estavam bem actuais! Ele corroborou nas minhas observações.
    Fico agora mais espantado ainda com o que escreveu e eu li! Espantado e INDIGNADO! E desculpe o tom, mas quero juntar a minha à sua autorizada voz. Em Igreja, deveríamos, pelo menos, ser tão bons como os melhores. Mas exige-se-nos sermos melhores!
    Até na esteira do papa Francisco!

    ResponderEliminar
  5. Jorge,

    Muitos parabéns pelo post. É preciso coragem para viver esta situação que é tanto mais ultrajante e revoltante por se passar precisamente no seio da comunidade cristã, mas exatamente sofrendo com uma atitude pela sua natureza profundamente contrária à mensagem de Cristo. Pela minha parte não tenho dúvida que se trata de uma situação de oportunismo individual, tanto mais aviltante quanto sucede depois da morte das duas únicas pessoas que poderiam defender a justiça da situação dos verdadeiros coordenador e autores dos manuais agora a ser substituídos de forma criminosa plagiando, e com péssima qualidade gráfica, os conteúdos dos manuais já publicados. Essas pessoas eram o D. José Policarpo e o D. Tomás da Silva Nunes que ambos tive a grata felicidade de conhecer e cuja memória considero também ultrajada com esta revoltante situação. Como Cristã sinto-me profundamente triste e magoada com um ato tão repugnante, injusto e inqualificável como este e desejo sinceramente que o conhecimento da situação chegue à Comunidade Episcopal e que esta atue inspirada por Deus e como Jesus sempre nos ensinou: com verdade e fazendo justiça onde justiça tem que ser feita.
    Um beijinho de solidariedade para ti como coordenador de todos os manuais e para todos os que foram autores e que, como tu, tiveram os seus nomes apagados dos manuais agora plagiados com uma roupagem gráfica de mau gosto que não é por isso que deixam de ser cópias de má qualidade, mas criminosamente cópias subtraindo os nomes dos verdadeiros autores dos textos e do trabalho de organização dos manuais.

    ResponderEliminar
  6. Texto bonito...intenções duvidosas!!!
    ENFIM...O silêncio seria de facto melhor!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim...de facto cheira a lavagem de roupa suja. De tudo isto só tenho pena e lamento que alguém como o Doutor Jorge Paulo se exponha publicamente com estes "rancores" e "ódios" tão pouco cristãos. Do que lhe conheço não lhe identifico estas características. Assim só espero que tenha sido a influência desse "alguém falou comigo" ontem.

      Espero que o Doutor Jorge Paulo reveja o seu texto e reconheça o quão despropositado foi este seu texto e estas suas atitudes.

      Eliminar
    2. Acho estranho que alguém tome uma posição sobre este assunto sem se identificar! Quanto ao seu conteúdo do seu comentário, não tenho qualquer tipo de rancor, nem ódio. Penso que está a confundir estes sentimentos com o direito de alguém defender a própria honra, a verdade dos acontecimentos e a justiça. Foi só isso que me moveu. Não retirarei uma única palavra ao que disse.

      Eliminar
    3. Doutor Jorge Paulo falou em honra, verdade dos acontecimentos e justiça!!! Diga-nos quem são o A. Osório e a Célia Chamiça??? Se calhar sentiram falta de ALGO€€€

      Eliminar
    4. Não sei do que está a falar, nem onde quer chegar. A Célia é a minha mulher, com quem tenho a honra de estar casado há 24 anos. Não vejo mal nenhum no facto de ela querer tomar posição em relação a esta questão! Só mentes distorcidas veriam nisso algum mal. Quanto ao sr. A. Osório, não sei quem seja, nunca tive a honra de conhecer. De qualquer forma, é muito cobarde que o sr(a). "Anónimo" não se identifique e que faça insinuações cujo conteúdo não se compreende. Se me quer acusar de alguma coisa, faça-o abertamente. Faça-o com factos e argumentos. Foi assim que eu escrevi o meu texto e é assim que as pessoas devem agir, quando denunciam algo com que não concordam.

      Eliminar
    5. Peço desculpa de intervir novamente.
      E pretendo responder a quem se esconde atrás de "Anónimo".
      Eu até tenho um rosto, como se pode ver junto ao meu nome.
      Ademais, no "post" que fiz indico alguns dados importante: fui professor de EMRC e estou aposentado.
      Por favor, "Anónimo" não coloque intenções a quem não as tem.
      Acresce que, de facto, não conheço pessoalmente o Paulo Jorge. Sigo, há anos o seu blogue. E, por isso, dei de caras com este texto sobre o plágio dos manuais de EMRC. Como, embora aposentado, me sinto da disciplina, decidi fazer a intervenção que fiz, em nome da justiça e do bom nome de quem tanto trabalhou pela dignificação de EMRC.

      Eliminar
  7. considero isto uma vergonha e só demonstra o caracter ou a falta dele destas pessoas que se apoderam do trabalho e dedicação de colégas de profição para com a CONIVÊNCIA do PATRIARCADO ganharem dinheiro fácil e projeção mediática...SÃO ESTES OS VALORES MORAIS QUE A NOSSA IGREJA CATÓLICA QUER TRANSMITIR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES?....

    ResponderEliminar
  8. Dr. Jorge, com uma cartilha tão recheada, mas com tanto mofo! É cristão dizer as coisas a quem de direito. Não me revejo nesta espécie de textos a precisar de lexívia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por que razão está o meu texto a precisar de lixívia? A verdade precisa de ser lavada? É isso? Quanto à forma que escolhi para fazer o meu protesto, corresponde à forma como o processo contra mim se desencadeou. Ou seja, como foi público o agravo feito, também deve ser público o protesto. Não vejo nada de anticristão nisso mesmo. Aliás, basta ler os textos dos profetas bíblicos para verificar que eles não escolhiam os meios mais apagados para dizer a verdade. Faziam-no publicamente afrontando os poderes instituídos. Acho que o meu texto está bem acompanhado.

      Eliminar
  9. Cultura Autoritária e de Incitamento à Violência, Intolerância, Por Lideres Políticos/Religiosos, Islâmicos, Contra o Estado de Direito, Liberdades, Garantias, Igualdade, Fraternidade, Lei e Justiça Social. Vistas em Entrevistas nos Órgãos de Informação, Televisão, Redes Sociais, Facebook, Youtube, Reportagens, Ameaças de Violência.
    O Mundo Está de Luto, Insegurança, Um Grande Motivo de Reflexão, Face a Este Retrocesso Civilizacional, Aumento da Pobreza, Refugiados, Emigração, Vitimas Inocentes, Terror, Genocídio, Morte, Violência Global.

    ResponderEliminar
  10. Meditação Bíblica Diária - Vamos Individualmente, Cada Um de Nós, Voluntários Cristãos, Missionários, Igreja, Ter o Desejo de Partilhar, Um Versículo Bíblico Diário. A Verdade da Palavra Divina do Amor de Deus, Para Salvar o Homem, a Humanidade e Evangelizar o Mundo, no Poder Ungido de Revelação Profética do Espírito Santo Misericordioso da Graça Divina de Deus Pai, o Verbo Divino, Jesus Cristo, Messias Ungido, Ressuscitado, Emanuel, Redentor, Vivo; Santíssima Palavra da Vida, Único Altar Divino Salvador e Mediador entre Deus e os Homens. - Pai, Filho e Espírito Santo. Lei Divina Espiritual. A Gramática e a Fórmula Divina de Deus, Vivo, Absoluta e Infalível. – Sem Dogmas Religiosos e Altares de Idolatria, Apostasia Espiritual, Discriminação, Injustiça Social. A Interpretação Revelada do Texto Bíblico, Palavra e Verdade Divina de Deus Pai, Criador do Homem. A Urgência da Hora ao Mundo, Perante a Injustiça, Sofrimento Humano, Violência, Guerras. Apelo ao Amor Divino de Deus, Santidade, Respeito, Verdade, Paz, Tolerância, Misericórdia, Compaixão Pelos Povos, Solidariedade, Fraternidade, Justiça de Deus, Entre os Homens, Culturas, Línguas, Povos, Nações. – Unidade da Fé. Efésios 4:13 – Ler Todo o Capítulo. Complementar Com Concordâncias Bíblicas – Partilhar

    ResponderEliminar
  11. Meditação Bíblica Diária –“ E (Irmãos/as, Povo de Deus, Igreja Cristã) Conhecereis a Verdade, (Pelo Espírito Santo, Palavra da Vida) e a Verdade (Amor, Paz, Justiça de Deus, Graça Divina) Vos Libertará” – João 8:32. - Ler Todo o Capitulo. Complementar Com Concordâncias Bíblicas. Partilhar

    ResponderEliminar
  12. Meditação Bíblica Diária – “ Nenhuma (Prisão) Condenação Há (Libertar o Espírito Santo de Deus, A Graça Divina, Amor, Paz, Justiça de Deus, é a Tarefa Número Um da Humanidade; Identidade Existencial, Física e Espiritual, Para Salvação, Cura e Libertação do Homem) Para os Que Estão (Consciência, Inteligência, Intelectual e Espiritual, Emoções, Sentimentos, Vontade, O Estado de Espírito, Palavra de Vida, Verdade Divina, Liberdade) em Cristo Jesus”. Romanos 8:1. - Ler Todo o Capitulo. Complementar Com Concordâncias Bíblicas. Partilhar

    ResponderEliminar
  13. Meditação Bíblica Diária - “ Miserável Homem Que Eu Sou! (A Razão do Homem, É: Condenação) Quem Me Livrará Deste Corpo (A Palavra da Vida, Verdade Divina, de Jesus Cristo, Messias, Homem, Emanuel, O Verbo Divino, É: Salvação, Cura, Libertação) Desta Morte?” (A Formula Divina de Deus, Absoluta, Infalível, Lei Espiritual) Romanos 7:24. - Ler Todo o Capitulo. Complementar Com Concordâncias Bíblicas. Partilhar

    ResponderEliminar
  14. Drº Jorge Paulo. Admiro a sua bravura, o seu senso moral, confiança, determinação, coragem, hombridade e honestidade intelectual.
    Reconheço que os atuais manuais de E.M.RC. possuem uma linha catequética demasiado pesada e têm um pensamento teológico um pouco ultrapassado. Considero que os atuais manuais, apresentam uma imagem e grafismo insuficiente.
    Prefiro os anteriores manuais porque:
    1- eram mais consistentes a nível de conteúdos
    2- apresentavam um fio condutor que envolvia mais depressa os alunos nas aulas
    3- eram mais apelativos
    4- dispunham de uma maior oferta a nível de imagens e textos, tornando-se mais significativos e apropriados ás idades dos alunos
    5- conferiam um maior equilíbrio entre a fé e a cultura
    6- permitiam aos alunos adquirir com mais facilidade uma visão cristã da vida.
    Penso que qualquer manual, deve responder sempre ás necessidades resultantes da realidade social e concretamente das necessidade dos alunos. Os alunos , são sempre a razão de ser dos manuais e dos professores.

    ResponderEliminar
  15. Concordo com o descrito pelo José Carlos. Pessoalmente gosto mais dos anteriores manuais. Apenas precisavam de uma pequena revisão e simplificação de conteúdos, sobretudo os do 1º ciclo. Os alunos não gostaram da mudança e estão sempre a apontar gralhas e erros nos textos.
    Força Jorge Paulo.

    ResponderEliminar
  16. Contou-me uma mosca que foi muita gente fazer a dita formação dos manuais e nem sequer os utiliza nas aulas. Quanto aos manuais a necessidade urgente da mudança nunca foi muito bem explicada.

    ResponderEliminar
  17. Os novos manuais perderam qualidade!

    ResponderEliminar
  18. Também gostava mais dos anteriores manuais. Os alunos gostavam ter os sumários em anexo ao livro. Alguns já não quiseram comprar os novos manuais.

    ResponderEliminar
  19. Só agora tive oportunidade de ver os comentários de um Anónimo em relação ao meu comentário e tencionava não dizer nada porque me parece que estes espaços servem respeitosamente para exprimir diferentes opiniões. E quando ao que publicou sobre o meu comentário e transcrevo"Texto bonito...intenções duvidosas!!!
    ENFIM...O silêncio seria de facto melhor!". É um direito que lhe assiste e respeito. Agora quando um Anónimo, não sei se o mesmo ou outro, pois nunca se identifica, diz e cito: "Doutor Jorge Paulo falou em honra, verdade dos acontecimentos e justiça!!! Diga-nos quem são o A. Osório e a Célia Chamiça??? Se calhar sentiram falta de ALGO€€€ " tenho que comentar que simplesmente, ultrapassa as regras de qualquer respeito básico das regras de comunicação e lança infundadas afirmações e difamações sobre o meu nome pessoal, o que não posso deixar de registar como profundamente injustas e mais, senhor ou senhora anónima, não me falta algo, com ou sem €, vivo como sempre vivi, solteira, como casada, respeitosamente e unicamente do meu trabalho, como muitos cidadãos deste país. Não consta nunca que tivesse andado a mendigar ou a fazer fosse o que fosse por dinheiro pois sempre foram e são outros os valores religiosos, morais e éticos porque me movo, entre os quais o do respeito, mesmo porque me desrespeita, como foi o seu caso. Assim, me foram transmitidos os ensinamentos de Jesus Cristo que procuro seguir em cada dia. E não, não fui eu quem aliciou o meu marido, Jorge Paulo, com quem me orgulho de estar casada pelos seus traços de personalidade que muito valorizo, entre os quais o da verticalidade dos seus princípios, a escrever o post dele. como insinuava o anónimo e transcrevo: "Assim só espero que tenha sido a influência desse "alguém falou comigo" ontem." Felizmente que o Jorge Paulo tem capacidades para pensar por si próprio e agir por si próprio, é um dos motivos porque o amo. Com ou sem €, esse fator nunca entrou na minha decisão matrimonial há mais de 24 anos.
    Face a estes comentários gostaria de terminar citando um comentário, não de uma Anónima, mas de uma comentadora deste post que não conheço, mas que publica o seu comentário transparentemente como mulher que de cara limpa mostra o que pensa e em que me revejo integralmente: "Que desgraça. O que nós somo capazes de fazer!". É exatamente isso que me ocorre, Maria Carvalho, o que as pessoas são capazes de fazer e de dizer! Foi muito feliz na sua expressão, pois é exatamente isso que sinto sobre o que foi feito com os manuais e comentários desrespeitosos em relação ao autor do post, e em relação a mim própria. Espero apenas que desta triste situação resultem algumas aprendizagens comportamentais e eventuais decisões de quem sem ter toda a informação agiu ou não agiu na sua boa-fé. Os meus respeitosos cumprimentos a todos, autor do post e todos os comentadores, porque todo o ser humano, conhecido ou desconhecido, me merece respeito, à imagem de Deus. Votos de um bom fim-de-semana para todos.

    ResponderEliminar
  20. Para o criador ninguém é anónimo. Quem se esconde tem medo, oculta-se na sombra. A nova edição de manuais tem muito que se lhe diga. Quem diz a verdade não merece castigo. Louvo-o por isso Jorge Paulo.

    ResponderEliminar