quarta-feira, 3 de agosto de 2011

A língua -- património imaterial da humanidade


 
Todos os povos procuram manter e reforçar a sua identidade face aos demais. Não que se autoconcebam necessariamente como os mais perfeitos ou entendam a relação com os outros como uma luta de interesses que desague inevitavelmente no aniquilamento de um dos lados. A relação intercultural não tem de ser interpretada desta maneira. E não o é, na maior parte dos casos. Mas tal não invalida que todos se orgulhem pelo facto de se sentirem pertença de uma dada cultura, povoada de símbolos, de textos fundacionais, de uma história que funciona como elemento agregador, de certas visões do mundo que se não confundem com as dos outros, etc. E é igualmente saudável que todos se deixem deslumbrar pela diversidade cultural que habita o nosso planeta. Dar e receber, num intercâmbio sem fim, enriquece o mundo, hoje ameaçado pela estandardização cultural e pelo consequente decréscimo da pluralidade, depauperando indivíduos e povos. É, por isso, essencial, que nos recusemos a consumir apenas um certo tipo de cultura, uma certa moda que tudo tende a absorver e a conquistar, a expensas de outras expressões se não mais ricas, pelo menos igualmente dignas de existir e de se expressarem.

É difícil dizer o que é propriamente a identidade de um povo. Até porque são muitos os ingredientes que a compõem. No entanto, há um aspeto que ninguém ousa ocultar quando se refere a esta intrincada questão: a importância da língua como fator de identificação e de inclusão numa comunidade mais ou menos alargada. De forma a preservar a sua estrutura identitária, seria então expectável que todos os povos tivessem uma língua própria. E tiveram-na. Todavia, por motivos históricos, algumas línguas acabaram por definhar e sucumbir, cedendo o passo a outras. Esse facto teve os seus aspetos positivos e negativos. Por um lado, com a perda de línguas específicas, assistiu-se a algum enfraquecimento das identidades (e, portanto, da diversidade cultural planetária), ou talvez melhor: a uma modificação identitária, uma vez que a identidade não é, de modo nenhum, uma realidade estática, nem sequer para os povos que falam a mesma língua há muitos séculos. Aí está a mudança diacrónica, interior ao sistema da língua, a provar isso mesmo. Por outro lado, o que perderam em especificidade, ganharam em quantidade e em qualidade. Em quantidade por integrarem comunidades mais vastas com as quais partilham a mesma língua, o que projeta e torna mais visível um determinado país, por mais pequeno que seja, na comunidade internacional. Em qualidade porque se relacionam com a cultura dos restantes países que usam a mesma língua numa base de intercâmbio que a todos valoriza. E o contributo de cada um, tanto do ponto de vista da literatura como de outras formas culturais, é também uma mais-valia para os restantes.

É assim também com a língua portuguesa. Por força da sua história, esta língua, predestinada a confinar-se a uma estreita faixa de terra a ocidente da Península Ibérica, rompeu o destino que naturalmente lhe estava traçado e embarcou rumo a outras latitudes e longitudes, onde plantou as sementes da sua identidade. Hoje cresce nos chamados países de expressão oficial portuguesa. Mas, como todas as plantas, tem uma existência frágil e contingente. Desde logo, tem de concorrer com um sem número de outras línguas que insistem em invadir-lhe o espaço que a história lhe legou. Porém, a responsabilidade pelo crescimento desta delicada planta não é dos outros. É nossa. Se não investirmos destemidamente na sua consolidação e expansão, outros o farão em relação às suas línguas e seremos tragados em virtude da nossa inação ou desinteresse.

Sendo hoje uma das línguas mais faladas no mundo, não se compreende a razão pela qual só foi, até ao momento, atribuído um nobel da literatura a autores de língua portuguesa. É por falta de mérito ou qualidade? Não creio. Aí está a grande literatura escrita em português a testemunhar o oposto. Há, contudo, um aspeto que descuramos, perdendo assim os autores de língua portuguesa para aqueles que são sustentados por poderosas máquinas publicitárias: a divulgação dos seus tesouros.

É possível alterar esta circunstância? Estou em crer que sim. Portugal sozinho não tem, decerto, como fazer face a tamanho desígnio. Os recursos de que dispõe são notoriamente insuficientes. Mas a conjunção de esforços de todos os países que usam o português como língua oficial pode fazer a diferença. A nós, portugueses, cabe abrir mão de algumas conceções mesquinhas que ainda balançam teimosamente nas nossas mentes. Na realidade, não temos de ser nós a liderar o processo. Outros o poderão fazer, talvez melhor e de forma mais eficaz do que nós o faríamos.

A este propósito, gostaria de saudar — ao arrepio da opinião de muitos — o novo acordo ortográfico. É, sem dúvida, um poderoso meio de aproximação da escrita em português e tudo quanto possa agilizar o uso da língua no espaço internacional é bem-vindo. Para quê criarmos obstáculos à divulgação e uso internacional da língua se podemos com pouco esforço e muitas vantagens, facilitar a sua internacionalização? E não se trata, como pretendem fazer crer os detratores do acordo, de uma substancial perda de identidade. A língua — e agora não me refiro à sua componente escrita, mas à língua falada, que é afinal a essência de toda a língua — está constantemente sujeita a mudanças, sob a pressão de fatores endógenos e exógenos. Será isso uma perda de identidade? Se o for, nada podemos fazer para a fixar a padrões do passado. Ela mudou, muda e continuará a mudar, por força da sua condição temporal. E manter a escrita num estado arcaico, cada vez mais afastado da sua vertente oral é um contrassenso cuja justificação só se pode aceitar no quadro de um pensamento fixista e a-histórico. Tudo o que é humano corre no fluxo do tempo. Inexoravelmente.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

1 comentário:

  1. Excelente texto, professor. Precisamos fortalecer nossa língua e nossos laços em comum.
    Quanto mais as elites se desentendem, mais difícil é o processo de aproximação e o que predomina é o total desconhecimento entre os povos lusófonos e o enfraquecimento de nossa língua e cultura.

    ResponderEliminar