segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Revolução na Líbia

E aqui temos o protótipo do verdadeiro ditador, implacável e tirânico, que não hesita em exterminar uma fatia considerável do seu próprio povo quando vê o poder fugir-lhe debaixo dos pés. E a linhagem é grande, desde os César, até Estaline, Mao, Hitler e muitos outros que assombraram a história humana.
Muammar Khadafi lá está no panteão da vilania humana, fazendo descer sobre o seu povo a violência, o medo e a morte. Ele bem viu que os tiranos de face humana saíram derrotados dos seus tronos de muitos anos. Não há, portanto, nada a perder. Só um caminho pode conduzir à vitória (ou à derrota definitiva): o da força intransigente. E joga até ao fim, sem a dúvida dos honestos, nem a tergiversação dos pusilânimes.
Nem consigo perceber se algum destes homens estava verdadeiramente convicto da bondade do seu plano ou se apenas pretendia manter-se no poder a qualquer preço. Talvez um pouco de cada coisa. Mas é muita presunção autoconvencer-se de que se tem a chave do futuro, mesmo quando os seus concidadãos consideram exatamente o contrário.
Será a história a julgá-los. E decerto não permanecerão no livro de homens autênticos que derrogaram os seus interesses pessoais e mesquinhos para investir na vida coletiva e no bem da humanidade.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Sem comentários:

Enviar um comentário